Internação Involuntária – Descubra quando é o momento Certo!

8 minutos para ler
Compartilhe este conteúdo

Engana-se quem pensa que a dependência química é um desafio apenas para o usuário. Esse vício deixa todo o núcleo familiar co-dependente, e tem o potencial de devastar toda a relação e harmonia familiar. Para amenizar os danos, muito se ouve sobre a Internação involuntária, mas será que funciona?

A verdade é que ajudar o dependente a reconhecer a doença e a necessidade de um tratamento é indispensável para frear as graves consequências que o vício traz, como perda de emprego, afastamento de amigos e falta de interesse na vida social.

Quer aprender a identificar os sinais de que um parente que você ama está usando drogas, e descobrir qual é o melhor momento para internar um dependente químico? Vamos abordar essa questão no artigo de hoje. Confira.

     

O que é a dependência química e por que pode ser necessário uma internação involuntária?

internação involuntária

O problema com drogas atinge pessoas das mais variadas faixas etárias e classes sociais, e infelizmente, é uma realidade de milhares indivíduos no país.

Basicamente, a dependência é uma relação corrompida entre o indivíduo e sua maneira de consumir uma substancia psicoativa. O uso constante de determinada substancia pode levar à perda do controle sobre o uso, causando síndrome de abstinência quando o consumo é reduzido ou interrompido, e essa situação é chamada de dependência química.

Ela afeta o usuário com o passar do tempo, o que a determina como doença crônica, pode ser psíquica e/ou física. O dependente químico é impulsionado a uma eterna busca pelo prazer momentâneo que a droga traz, o que modifica todos os vínculos que o ele possui, seja familiar, social ou profissional.

São características comportamentais próprias observadas em pessoas que sofrem com dependência química:

  • manipulação;
  • obsessão;
  • ansiedade;
  • auto piedade;
  • comportamentos antissociais;
  • paranoia.

A partir do momento em que o usuário deixa de usar apenas por diversão e passa a querer aquilo com maior frequência, ele se torna capaz de qualquer loucura só para não sentir o desprazer que a ausência da droga traz, e nessa situação, a pessoa passa a ser reconhecido como um dependente químico.

Relacionados:  Uso recreativo de drogas: o Limite entre o uso Social e a Dependência.
Você está procurando uma boa clinica? Clique aqui. Se deseja conversar diretamente com um terapeuta sobre clinicas Clique aqui.

É por esse motivo que a dependência química afeta direta e indiretamente toda a família, pois, o usuário já não mede as consequências de seus atos e pensa somente em consumir a substancia que supre seu vício.

Por isso, um dos maiores erros cometidos é de não considerar a dependência como uma doença, e em muitos casos, por medo, preconceito ou até acomodação, as famílias demoram a tomar atitudes sérias em relação a esse problema.

Sendo assim, se você suspeita de algum ente querido que esteja usando essas substâncias, aprenda agora a identificar os sinais e encontrar maneiras eficientes para ajudá-lo. Portanto, confira as informações abaixo!

Como identificar os sinais de alerta antes da internação involuntária

Caso a família suspeite que um de seus integrantes esteja caindo nas armadilhas da dependência química, alguns sinais de alerta merecem atenção.

Sendo assim, os parentes mais próximos serão capazes de averiguar como a droga está afetando a rotina e a saúde mental de seu familiar. Portanto, alguns fatores podem demonstrar que a situação já está em um nível mais sério. Como:

1. Falta de comprometimento com antigas atividades

internação involuntária

O usuário de drogas perde o interesse por atividades que antes lhe eram prazeroso, como o emprego e os estudos. Portanto, não existe mais dedicação, atenção ou comprometimento para nada que não seja o momento de usar a substância.

2. Alteração no relacionamento familiar

É comum que os usuários deixam de interagir com a família, não sentam mais a mesa para as refeições, nem comparecem nas festas familiares.

Desse modo, as relações em casa são afetadas ativamente, pois o usuário de drogas apresenta surtos de agressividade e paranoia constantemente.

3. Perda da vida social antes da internação involuntária

A rotina se resume em atividades que facilitam a busca e o acesso à droga. Dessa forma, compromissos e atividades sociais em que dificulte o uso do químico são veementemente evitados pelo indivíduo.

4. Qualquer motivo é desculpa para usar droga

A pessoa já não possui mais o mesmo nível de atenção, raciocínio e sente dificuldade em resolver os problemas comuns do dia a dia. Por isso, tudo vira uma desculpa para o uso indiscriminado da droga.

Relacionados:  Conheça os efeitos da anfetamina e veja como ela pode afetar sua vida

5. Não existe mais controle financeiro

internação involuntária

O dependente químico geralmente alega estar com uma crise financeira ou com problemas no trabalho, isso ocorre, pois, com o constante gasto com drogas, ele perde o controle financeiro, e passa a inventar sempre desculpas para os seus gastos desenfreados.

6. Manipulação e pequenos furtos dentro de casa são comuns antes da internação involuntária

Para enganar a família e disfarçar o uso, o dependente passa a ser desonesto.

Portanto, passa a roubar pequenos objetos da casa, como roupas e peças pessoais são atitudes corriqueiras para um dependente, é um sinal de que roubos maiores existirão.

Vencendo medos, preconceitos e acomodações.

Caso o seu ente querido esteja demonstrando um ou mais dos sinais citados acima, provavelmente ele está precisando de auxílio profissional.

Entretanto, muitas famílias tornam-se resistentes a tomar uma atitude mais agressiva com relação ao quadro, por medo das grandes mudanças e responsabilidades que essa doença acarreta.

Nesse caso, é comum que a família do dependente despeje suas frustrações no doente e exijam dele coisas que simplesmente ele não consegue cumprir, piorando ainda mais o seu quadro.

Portanto, ao contrário do que muita gente pensa, é nesse momento que a família deve formar uma base compreensiva e acolhedora para o dependente químico e, junto dele, deve tentar seguir um caminho positivo, em que o bem-estar do doente é realmente levado em conta.

     

Tomando o passo definitivo: A internação involuntária

internação involuntária

A família preocupada com a saúde de seu ente querido e esperançosa quanto ao tratamento, deve buscar serviços e profissionais que irão ajudar o dependente químico.

Em casos mais graves, a internação involuntária, ou seja, aquela em que o dependente é internado contra sua vontade pode ser a única solução viável para esse terrível quadro.

Desse modo, esse tipo de internação é previsto por lei e pode ser uma opção extremamente benéfica para o doente que se encontra além de suas capacidades mentais normais.

Relacionados:  Conheça a diferença entre internação compulsória e a involuntária.

As Clínicas de reabilitação para dependentes químicos são equipadas com instalações que irão dar conforto, segurança e acolhimento ao doente, além de contarem com profissionais de várias áreas — psiquiatras, psicólogos, terapeutas, enfermeiros, entre outros — que irão, juntamente, liderar várias técnicas de estabilização da doença, que embora lentas, são altamente eficazes até para os quadros mais graves de dependência química, trazendo tranquilidade e confiança à família do doente.

Internação involuntária: Não é o que você pensa

Se você acredita que essa alternativa é desumana, agressiva e abusiva, está muito enganado. Essa pode ser a única opção para salvar uma pessoa amada, e é prevista pela Lei Federal 10.2016, de seis de abril de 2012 – lei que garante os direitos de que um dependente químico seja internado contra a vontade.

Porém, ao contrário da internação voluntária e compulsória, no caso das internações involuntárias, o dependente químico não enxerga a necessidade de um tratamento adequado para o seu vício. Mas sua família acredita ser a única solução.

Por isso, os familiares que possuem ligação consanguínea com o usuário, podem acionar esse tipo de internação, e assinar uma autorização para que aconteça.

Sendo assim, após a assinatura, um médico especialista examinará o dependente e emitirá um laudo comprovando a necessidade de uma internação involuntária para o caso. No geral, esse pedido é encaminhado para uma clínica particular ou uma unidade do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS).

E então, você tem experiência ao lidar com o dependente químico e internação involuntária? Portanto, conte suas histórias e dúvidas nos comentários para que possamos tentar lhe ajudar. Até a próxima.

Somos especializados no encaminhamento e tratamento de usuários de álcool, drogas e remédios. Entre em contato para conversarmos mais!

(11) 2088-1909
(11) 97522-6386 VIVO WHATSAPP
(011) 95997-7546 TIM
(11) 99199-2029 CLARO
(11) 94262-3311 NEXTEL

Site Oficial:  www.viversemdroga.com.br


Compartilhe este conteúdo
Somos especializados no encaminhamento e tratamento de usuários de álcool e drogas.

Duvidas:

(11) 2088-1909

(11) 97522-6386 VIVO WHATSAPP Clique aqui.

(11) 95997-7546 TIM

(11) 99199-2029 CLARO

(11) 94262-3311 NEXTEL

Site Oficial: https://www.viversemdroga.com.br/

Você também pode gostar
Conversar com especialista