Internação involuntária: quando ela deve acontecer?

4 minutos para ler

Se um membro da família ou alguém que você ama é viciado em drogas, ele precisa de ajuda. Nesse caso, a internação involuntária pode ser necessária.  

No entanto, a maioria dos viciados em drogas não acha que precisa de ajuda, mesmo que esteja doente. 

Como você pode ajudar a pessoa que você ama se ela diz não? 

Muitos pais, cônjuges e amigos de viciados desejam poder ajudar a pessoa em questão e colocá-la em uma clínica de reabilitação.  

No entanto, buscar um compromisso involuntário pode ser mais complicado do que você imagina. 

A recuperação raramente funciona quando é imposta a alguém.  

Se você conseguir convencer o viciado em sua vida a admitir que precisa de ajuda, é muito mais provável que ele tenha uma reação positiva. 

Forçar alguém a fazer um tratamento contra sua vontade geralmente não funciona para quem tem algum vício em drogas.  

Um sintoma do vício é a negação: eles não conseguem ver que há algo errado. Outro sintoma é o desafio. Os viciados não gostam de se sentir na obrigação de fazer alguma coisa. 

Você está procurando uma boa clinica? Clique aqui. Se deseja conversar diretamente com um terapeuta sobre clinicas Clique aqui.

Mas se você precisar tomar medidas drásticas repentinas, a lei permitirá que você faça isso em alguns casos. 

Quando um dependente químico é hospitalizado, voluntária ou involuntariamente, inicia-se um processo de limpeza. Esse processo pode ser doloroso e perigoso, por isso é sempre melhor ser feito sob supervisão médica. 

Assim que o corpo está limpo de drogas, os profissionais podem ajudar a guiar o dependente químico através de uma variedade de métodos para ajudá-lo a superar o problema. 

A internação involuntária é mesmo necessária? 

internação involuntária

O viciado não tem necessariamente a mesma percepção da realidade que as outras pessoas por causa de seu vício. 

Relacionados:  Saiba quais são os efeitos da heroína no organismo

Por exemplo, ele pode ter problemas de saúde, ficar sem amigos e sem trabalho ou renda, mas sentir que está “indo bem”. Quando as coisas chegam a esse ponto, é necessário partir para a internação involuntária, se o dependente mostrar resistência.  

No entanto, às vezes, o dependente químico encontra um impulso adicional que o obriga a tomar uma decisão sobre pedir ajuda.  

A ameaça de prisão, de perder seu cônjuge ou emprego, são situações possíveis em que uma pessoa tem força suficiente para combater o vício e procurar ajuda.  

Nesse caso, a internação involuntária não seria uma opção, já que a própria pessoa se coloca à disposição. 

É fácil supor que o dependente químico esteja “apenas procurando ajuda para evitar a prisão”. 

O fato é que o dependente só procurará ajuda quando alguém ou alguma coisa o empurra para fora de sua zona de conforto e o obriga a tomar uma decisão.  

Um dependente químico com acesso a dinheiro, que tem um lugar para morar, com pessoas próximas que não se dispõe a fazer uma internação involuntária, raramente procura ajuda.  

Compreender isso é muito importante e será fundamental em qualquer tentativa de intervenção. 

Quem deveria estar lá para ajudar? 

Uma das considerações mais importantes que envolvem a intervenção involuntária é a seleção de quem estará lá.  

Se possível, o membro da família a quem o dependente mais respeita deve estar presente.  

Essa pessoa deve estar lá para apoiá-lo na decisão. 

O maior número possível de membros da família deve estar lá, se cada um deles concordar plenamente que a pessoa precisa de ajuda e apoio na realização de um programa de reabilitação.  

Normalmente, o dependente químico tem inimigos e pessoas machucadas na família, mas argumentos violentos não farão com que o dependente seja mandado para um centro de reabilitação.  

Relacionados:  Tratamento de drogas: como aviso a minha família que preciso me internar?

O objetivo geral é levar o dependente a um ponto em que ele percebe que há um problema e está disposto a procurar ajuda. 

Portanto, o ideal é que não haja uma internação involuntária, mas sim que ele entenda a necessidade do tratamento. 

Sendo assim, quando isso acontecer, esteja pronto para levá-lo a uma clínica de reabilitação. 

Somos especializados no encaminhamento e tratamento de usuários de álcool e drogas.

Duvidas:

(11) 2088-1909

(11) 97522-6386 VIVO WHATSAPP Clique aqui.

(11) 95997-7546 TIM

(11) 99199-2029 CLARO

(11) 94262-3311 NEXTEL

Site Oficial: https://www.viversemdroga.com.br/

Você também pode gostar
WhatsApp chat