Conheça 5 Grupos de Apoio aos pais de Dependentes Químicos!

grupos de apoio aos pais de dependentes químicos
8 minutos para ler
Compartilhe este conteúdo

Não existe pai ou mãe que não tenha se preocupado com a possibilidade de seu filho se envolver com o mundo das drogas. Mas, se for o caso, você deve procurar grupos de apoio aos pais de dependentes químicos, para saber melhor o que fazer.

Neste caso, ter um suporte é fundamental tanto para o seu bem quanto o do seu filho. Então, continue lendo para saber mais sobre os grupos de apoio aos pais de dependentes químicos!

Para que servem os grupos de apoio aos pais de dependentes químicos

grupos de apoio aos pais de dependentes químicos

Entretanto, apesar desse temor, são poucos os pais que realmente se informam a respeito das consequências da dependência química e se sentem preparados para lidar com o problema, caso aconteça.

O papel do grupo de apoio para familiares de dependentes químicos é de agir exatamente nesse ponto, além de ajudá-los a entenderem e buscarem os tratamentos ideais para seus entes.

O ideal é que, ao identificar um caso de uso de drogas na família, todos os seus membros passem por um apoio psicológico. É comum que as pessoas mais próximas ao usuário — especialmente a mãe — desenvolvam problemas emocionais e de saúde relacionados à situação. Por isso, é importante dar ferramentas aos familiares para que eles possam lidar com o problema de forma saudável e proativa.

O papel da família na recuperação do vício

Uma situação frequente em casos de dependência química é a chamada codependência, que se refere ao cuidado excessivo dos parentes. Em casos assim, o excesso de amor e preocupação pode ter efeitos negativos e prejudicar a recuperação do usuário, colocando parte da responsabilidade sobre seus familiares.

O que fazer, então, para ajudar um ente querido a se livrar do vício e conquistar uma vida saudável e produtiva? Abaixo, separamos algumas dicas importantes.

Atitudes que a família deve evitar

Alguns comportamentos de familiares podem prejudicar ainda mais a situação do dependente, por isso é importante entender o caso como um problema de saúde. Confira alguns erros bem comuns:

Relacionados:  4 clínicas de recuperação no Vale do Ribeira que você precisa conhecer
  • ignorar ou desprezar o usuário;
  • minimizar o problema e classificar o caso como uma fase difícil, mas passageira. A dependência química não tem cura, mas é possível controlá-la de uma forma bem eficiente, por meio de tratamentos específicos;
  • usar qualquer tipo de força física, violência, castigos ou coisas do gênero. Isso inclusive pode afetar e piorar o psicológico do dependente;
  • isolar o usuário do convívio social, sem que ele faça nenhum tratamento;
  • proteger demasiadamente o dependente e ajudar a comprar os entorpecentes.

Atitudes que a família deve ter para ajudar na recuperação do dependente químico

Você está procurando uma boa clinica? Clique aqui. Se deseja conversar diretamente com um terapeuta sobre clinicas Clique aqui.

O papel dos familiares é essencial para a reabilitação do usuário de drogas. Para que tenha sucesso, os pais e parentes devem ter consciência do que realmente é a dependência química e quais os melhores caminhos para o seu tratamento. Confira algumas dicas:

  • dialogar e manter o usuário próximo à família, mostrando interesse em ajudar no problema;
  • entender e pesquisar sobre os efeitos das principais drogas utilizadas pelo dependente;
  • buscar por informações úteis de tratamentos, assim como por profissionais e clínicas especializadas;
  • se informar sobre algum grupo de apoio para familiares de dependentes químicos em sua cidade.

 

A importância dos grupos de apoio aos pais de dependentes químicos

grupos de apoio aos pais de dependentes químicos

Procurar um grupo que apoiam pais e familiares de dependentes químicos pode ser o primeiro passo para ajudar no tratamento e recuperação do usuário. Conheça alguns grupos em todo o país, como funcionam e sua importância para a família.

1. Al-Anon

Um dos grupos mais conhecidos no país, o Al-Anon tem o objetivo de ajudar parentes e amigos de alcoólicos. Não tem vínculo com religiões, movimentos políticos ou outras organizações. A participação é totalmente gratuita e anônima e o grupo sobrevive por meio de contribuições voluntárias dos seus membros.

O Al-Anon se utiliza dos mesmos princípios e valores difundidos pelos Alcoólicos Anônimos — entre eles, os Doze Passos —, oferecendo um ambiente seguro e acolhedor para orientar a família sobre como lidar com o alcoolismo e auxiliar na recuperação.

Relacionados:  Tratamento de drogas: como aviso a minha família que preciso me internar?

2. Alateen

Alateen é um subgrupo do Al-Anon, voltado especificamente a jovens e adolescentes que sofrem com o alcoolismo na família. Muitos desses membros buscam no grupo uma forma de ajudar pais e mães a lidar com o vício, ou simplesmente desabafar. O Alateen é organizado de forma independente, mas deve ser orientado por dois padrinhos do grupo Al-Anon.

3. Nar-Anon

O grupo de apoio Nar-Anon, voltado a parentes e amigos de dependentes químicos, tem a filosofia de que a família precisa tanto de ajuda quanto o usuário. Ao reunir pessoas que estão passando pelo mesmo problema, o grupo incentiva a troca de experiências. Dessa forma, visa melhorar o estado emocional dos participantes e seus relacionamentos familiares para auxiliar na recuperação do dependente.

4. Amor Exigente

Amor Exigente é um grupo de apoio que se baseia em 12 princípios básicos, éticos, na pluralidade espiritual e na responsabilidade social.

O grupo busca demonstrar aos participantes que é necessário conhecer e aceitar os próprios limites, se valorizar e se livrar do sentimento de culpa para ter condições de orientar o dependente no melhor caminho a seguir. Conheça um pouco sobre os seus principais princípios:

  • identificador: esse princípio identifica os valores, aquilo que somos e o que queremos ser;
  • humanizador: os pais não são super-heróis e nem perfeitos, ao contrário, devem aceitar as limitações e perdoar sem perder a autoridade;
  • protetor: é preciso compreender que não há uma fonte ilimitada de recursos (físicos, emocionais e econômicos);
  • valorizador: pais e filhos não são iguais. É preciso que cada um assuma suas posições, estabelecendo normas e regras;
  • libertador: sem sentimento de culpa, de piedade ou de raiva, permite ser livre para agir e deixar que os outros cresçam, arcando com as consequências do seu comportamento;
  • influenciador: os hábitos dos filhos afetam os pais e vice-versa. É preciso manter o equilíbrio;
  • preparador: é necessário se preparar, não permitir abusos e desrespeitos e cuidar para que as atitudes sejam corretas e corajosas;
  • esperançador: da crise bem administrada, surgem as possibilidades de mudanças positivas;
  • apoiador: na comunidade, as famílias precisam dar e receber apoio, compartilhando experiências;
  • cooperador: a família deve ser presente e participar em conjunto dos trabalhos de recuperação. Isso é essencial para a valorização e melhoria da autoestima do paciente;
  • organizador: sem organização e disciplina, surge a sensação de insegurança, o que dificulta a evolução dos processos de melhorias;
  • compensador: esse princípio se refere, basicamente, ao amor e respeito entre pais e filhos. Apesar de não concordar com as atitudes erradas, é preciso compensar os erros com afeto e compaixão.
Relacionados:  Sabe o que é a anorexia alcoólica? Entenda aqui

5. Projeto Ame, Mas Não Sofra

Entendendo que toda a família sofre as consequências da dependência química de um de seus membros, o grupo de apoio Ame, Mas Não Sofra é um projeto da Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania do Distrito Federal. O grupo busca orientar os participantes sobre a necessidade de um tratamento adequado para recuperar o usuário.

O grupo demonstra, por exemplo, que assumir as responsabilidades do dependente — como pagar suas dívidas ou arrumar desculpas para seu comportamento — prejudica muito sua recuperação.

Participar de um grupo de apoio para familiares de dependentes químicos, que oferece acolhimento e troca de experiências entre pessoas que estão passando pelas mesmas dificuldades é uma boa maneira de aumentar a confiança e a tranquilidade dos membros. Além disso, capacita as pessoas a proporcionarem ao dependente um ambiente saudável e adequado à sua recuperação.

Achou as informações úteis? Leia também nosso artigo sobre internação compulsória e involuntária e entenda as diferenças.

Somos especializados no encaminhamento e tratamento de usuários de drogas. Entre em contato com a Instituição Viver sem Drogas para conversarmos mais!

Site Oficial: www.clinicaviversemdrogas.com.br

CLIQUE NA FOTO E RECEBA SEU E-BOOK GRATUITO!
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é httpsblog.viversemdroga.com_.brwp-contentuploads202004Guia-completo-como-se-livrar-do-Mundo-das-Drogas.pdf.jpg


Compartilhe este conteúdo
Somos especializados no encaminhamento e tratamento de usuários de álcool e drogas.

Duvidas:

(11) 97522-6386 VIVO WHATSAPP Clique aqui.

Site Oficial: https://www.clinicaviversemdrogas.com.br/

Você também pode gostar