A clínica de alcoolismo é uma unidade de tratamento que interna pacientes com vício em álcool — doença crônica de causas variadas, que vão desde fatores genéticos a questões ambientais ou psicológicas. O alcoolismo tem impacto extremo na vida da pessoa afetada, podendo, inclusive, levá-la à morte.

O alcoólatra costuma buscar a bebida para aliviar seu sofrimento emocional ou para disfarçar dores físicas causadas, às vezes, pela própria doença. As famílias dos afetados costumam se sentir confusas, desorientadas e impotentes frente a complexidade do cenário.

Para entender mais sobre a questão e saber como agir, continue com a gente e acompanhe o post de hoje!

Como detectar o alcoolismo?

Existe uma grande diferença entre ficar bêbado e ser alcoólatra: uma pessoa que bebe socialmente pode chegar a ficar bêbada sem que isso apresente grandes riscos para sua vida. O alcoólatra, por sua vez, ingere quantidades que vão além do que o organismo suporta em pequenos intervalos de tempo.

Esse consumo desenfreado traz graves danos para a saúde física, além de prejudicar o sujeito em seu trabalho, em suas relações e em suas emoções. Atitudes de risco também são indicadores, como dirigir bêbado descontroladamente.

Quais são os efeitos crônicos do álcool?

Os efeitos crônicos surgem em decorrência da ingestão excessiva e frequente de bebidas alcoólicas ao longo de meses ou anos. Como a molécula de etanol é pequena, ela atinge órgãos e tecidos facilmente.

Veja, abaixo, os principais efeitos do álcool no corpo humano:

Sistema cardiovascular:

  • lesões nas células cardíacas;
  • aumento do tamanho do coração;
  • arritmias cardíacas;
  • hipertensão;
  • risco de infarto.

Sistema gastrointestinal:

  • úlceras;
  • cânceres de esôfago, boca, laringe e faringe;
  • gastrite;
  • hepatite;
  • esteatose hepática;
  • pancreatite aguda;
  • cirrose hepática.

Sistema nervoso:

  • distúrbios neurológicos graves;
  • lesões no sistema nervoso central;
  • perda de estabilidade;
  • alterações de memória;
  • dificuldade em caminhar;
  • desregulagem da liberação de neurotransmissores;
  • síndrome de Wernicke-Korsakoff;
  • demência alcoólica;
  • miopatia;
  • polineuropatia periférica.

Sistema reprodutor:

  • impotência nos homens;
  • alterações menstruais nas mulheres;
  • infertilidade nas mulheres.

Clique na imagem e baixe gratuitamente nosso E-Book!

Existem grupos de apoio ou centros sociais para auxílio?

Diante dessa situação tão grave, é normal que os familiares atinjam um alto nível de sofrimento — principalmente por não saberem como ajudar a pessoa doente. No entanto, existem caminhos para auxiliar todos os envolvidos.

Apesar de não ter uma cura permanente, o alcoolismo pode, sim, ser tratado. Os grupos de apoio, centros de reabilitação e clínicas existem exatamente para isso. Nesses locais, o alcoólatra encontra um suporte, mas sua família também recebe apoio.

De forma geral, os grupos de apoio são reuniões em que os alcoólatras e suas famílias conversam sobre os seus problemas com pessoas que estão em situações muito parecidas. Essa é uma chance de aprender com outras experiências e de se abrir em relação ao seu sofrimento.

Existem também os centros sociais, em que são fornecidos tratamentos envolvendo o trabalho de médicos, psiquiatras e psicólogos. Esses centros não apenas trabalham para a internação: se necessário, podem também encaminhar os pacientes para clínicas.

Quais os grupos de apoio existentes no Brasil?

Existem, no Brasil, alguns grupos que auxiliam no processo de tratamento e recuperação dos dependentes de álcool. Veja alguns deles a seguir:

Alcoólicos anônimos (AA)

Esse é o principal grupo de apoio existente no Brasil. Seu objetivo é amparar e auxiliar os alcoólatras a largarem o vício. O AA é um grupo em que todos se ajudam e são ajudados. Ele funciona por meio de reuniões em que todos podem explicar suas dúvidas, incertezas, preocupações, aflições e ansiedades.

É costume que um convidado conte a sua história com a dependência e a recuperação. Geralmente, as reuniões duram de uma hora a uma hora e meia — e não há nenhum tipo de cobrança ou pagamento sobre elas. Também não é necessário falar o nome completo ou preencher ficha de inscrição alguma (daí vem o anonimato).

Grupo de apoio aos alcoólatras e narcóticos (GAAN)

Esse grupo é uma entidade filantrópica sem fins lucrativos que tem por objetivo ajudar na recuperação de pessoas que fazem uso excessivo de álcool e/ou outras drogas.

Existem grupos voltados para a família do alcoólatra?

Alguns grupos são voltados apenas para os familiares de alcoólatras, que também precisam de amparo e conforto. Eles são muito importantes para que os parentes do dependente consigam ajudá-lo a conquistar uma vida saudável. Veja abaixo:

Al-Anon

Esse grupo é formado por parentes e amigos de alcoólatras, e tem por finalidade o compartilhamento de experiências para posterior solução dos problemas em comum. O Al-Anon guia as famílias sobre como encarar o alcoolismo e auxiliar na recuperação dos entes queridos. A participação também é anônima e gratuita.

Alateen

Esse grupo está associado ao Al-Anon e é voltado especialmente para os jovens entre 13 e 19 anos que sofrem com as questões de alcoolismo de um familiar ou de um amigo. Mas, apesar de ser organizado de forma independente, o grupo necessita de dois padrinhos do Al-Anon.

Como saber o momento certo de internar o dependente em uma clínica de alcoolismo?

O dependente do álcool pode apresentar alguns sinais que indicam o momento certo de interná-lo. Confira alguns deles a seguir:

  • dificuldade de se manter no emprego ou na escola;
  • surtos de agressividade e paranóia;
  • rotina resumida a atividades que favorecem o acesso às bebidas alcoólicas;
  • atenuação do raciocínio e do nível de atenção;
  • pequenos roubos dentro de casa;
  • desaparecimento por alguns dias.

Na maioria das vezes, quando essas situações acontecem, resolver o problema de forma espontânea é quase impossível — por isso, a única saída pode ser a internação.

Quais as formas de convencer uma pessoa a se tratar voluntariamente?

Grande parte dos dependentes não aceita que está doente e que precisa se tratar. Assim, o primeiro passo para motivar alguém a buscar tratamento especializado é conversar.

Aproveite um momento de sobriedade e converse com calma e sem agressividade, de preferência em um local que haja privacidade e seja confortável. Fale sobre os problemas enfrentados por ele e pela família e mostre todas as consequências negativas que o alcoolismo provoca.

Incentive a pessoa a fazer atividades que lhe possibilitem uma sensação de bem-estar — como esportes, artesanato ou tocar um instrumento musical. Mostre a ela o quanto é possível ser feliz sem o consumo de bebidas alcoólicas.

Pesquise informações sobre clínicas de reabilitação e centros de apoio e motive o dependente a procurar ajuda para se recuperar. Ofereça a sua companhia para acompanhá-lo na primeira visita à clínica ou ao grupo.

Como funciona a internação?

O processo de internação em uma clínica de alcoolismo começa quando percebe-se a necessidade de buscar uma ajuda maior, em que o dependente possa receber mais cuidados. Esse momento pode ser notado pela própria pessoa, por sua família ou por outros com quem ela convive — como um médico, um psicólogo ou um psiquiátra.

Existem três tipos de internação:

Voluntária

A internação voluntária ocorre quando o próprio alcoólatra, consciente da gravidade de sua situação, busca ser internado para tratamento. Esse é um passo muito positivo, já que o envolvimento direto e a dedicação do paciente são grandes diferenciais no processo.

Involuntária

Ocorre quando o alcoólatra não assume que tem necessidade de se tratar ou não tem mais condições de saúde para buscar ajuda sozinho. Neste caso, seus familiares, ao notarem que uma intervenção maior se faz precisa, entram com um pedido judicial para a internação involuntária.

É importante ressaltar que, para que a internação seja efetuada, é necessário um laudo médico comprovando sua demanda.

Compulsória

O pedido de internação de um alcoólatra é feito pela justiça, ao se constatar que a pessoa está colocando em risco sua própria vida ou a vida de outros. Nesse caso, o laudo médico também se faz obrigatório.

Iniciado o processo de internação, o próximo passo é a busca pelo local mais adequado para prestação de tal serviço — e uma série de fatores deve ser levada em conta nesse momento.

Um deles é a abordagem ou o método empregados em cada instituição. É comum que cada uma tenha um foco — como a aprendizagem afetiva ou o atendimento psiquiátrico, por exemplo. Deve-se escolher aquela abordagem que melhor combina com o caso, com a pessoa e com as suas necessidades.

Vale lembrar que, seja qual for a especialização do local, é essencial que ele tenha uma equipe multidisciplinar, com profissionais de áreas diferentes e que proporcionem um atendimento mais completo.

Além disso, também é necessário definir qual modelo de internação é o mais indicado para o dependente naquele momento, e isso deve ser feito com o auxílio de um profissional de confiança.

É preciso definir, por exemplo, se será uma internação parcial — em que a pessoa frequenta a clínica somente durante o dia — ou integral — em que ela reside na instituição por um período determinado.

Na clínica, o alcoólatra e seus familiares devem encontrar um espaço para conhecer melhor a doença, aprender a lidar com ela e a conviver com outros em situações semelhantes.

Quais as etapas do tratamento?

tratamento do depentente é composto por diversas etapas, que podem variar de abordagem para abordagem e ter durações distintas. Veja algumas delas a seguir:

Desintoxicação

É a fase em que se foca principalmente na redução dos danos causados pelo alcoolismo. Isto deve incluir os efeitos físicos, mentais e emocionais. Para tal, a pessoa deve passar pela abstinência — ou seja, ficar sem consumir a substância química.

Nessa etapa são utilizados métodos como medicamentos e atendimentos psicológicos constantes.

Psicoterapia e terapia ocupacional

É o momento de cuidar prioritariamente da saúde mental e do emocional. E, como todo indivíduo é único, esse processo deve ser específico para cada um. Algumas clínicas também oferecem a modalidade de terapia em grupo.

A terapia ocupacional é um momento em que a pessoa tem a oportunidade de dedicar sua energia às atividades benéficas de diversas maneiras. Nesse processo, são exercitadas habilidades cognitivas e sociais, além da abordagem de questões emocionais.

É válido relembrar que, para um tratamento ser mais completo, ele deve fornecer apoio e cuidados com a saúde física, mental e emocional. O acompanhamento com profissionais, como médicos e psicólogos, deve ocorrer ao longo de toda a internação, inclusive nas recaídas.

Por fim, vale ressaltar como a internação é essencial para o tratamento da dependência do álcool, principalmente quando o caso já estiver mais complicado. Trata-se de uma questão que merece o máximo de atenção e cuidado.

A internação na clínica de alcoolismo é só uma parte do processo: o tratamento deve ser constante, com um acompanhamento permanente para o alcoólatra e sua família, mesmo após a saída da clínica.

A clínica Viver Sem Drogas busca apoiar as famílias que sofrem com o alcoolismo, fornecendo uma série de serviços — como uma comunidade de apoio no Facebook.

E então, gostou de nosso post? Para saber mais sobre a clínica do alcoolismo ou para obter outras informações, não deixe de entrar em contato conosco. Somos especializados no encaminhamento e tratamento de usuários de álcool e drogas. Entre em contato para conversarmos mais!

(11)2088-1909
(11)97522-6386 VIVO WHATSAPP
(11)95997-7546 TIM
(11)99199-2029 CLARO
(11)96230-9281 OI
(11)94262-3311 NEXTEL

Site Oficial:  www.viversemdroga.com.br