Bullying e uso de drogas: entenda essa relação

6 minutos para ler
Compartilhe este conteúdo

O que antes era visto apenas como recreação “inofensiva” de crianças e adolescentes, hoje é conhecido como bullying. Um apelido constrangedor, brincadeiras agressivas ou de mal gosto, pequenas perseguições cotidianas ou intimidação. Por muito tempo, isso foi considerado normal dentro de colégios ou outras instituições.

No entanto, os atentados praticados em escolas e o número de suicídios cometidos por jovens acionaram o alerta em psicólogos, pedagogos, professores, especialistas, pais e na sociedade em geral.

Isso porque essas práticas geram depressão, ódio, ansiedade, agressividade e, em muitos casos, podem levar ao uso de substâncias que geram dependência, como álcool e drogas, que funcionam como válvula de escape de uma situação opressora.

Todo esse contexto de estresse e desajustes aproxima os jovens de transtornos, suicídios e drogas. E é sobre isso que vamos falar neste post. Quer saber mais? Continue a leitura!

O que é bullying?

A palavra bully vem do inglês e quer dizer valentão. O sufixo “ing” indica uma ação executada continuamente. Portanto, bullying são comportamentos agressivos repetidos no dia a dia.

Uma pesquisa da Organização das Nações Unidas (ONU), publicada em 2017, afirma que metade das crianças e dos jovens do mundo já sofreu bullying. No Brasil, esse percentual é de 43%. O relatório ainda ressalta que tanto vítimas quanto agressores sofrem em aspectos de desenvolvimento pessoal, educação e saúde, e os danos se prolongam na vida adulta.

As agressões são verbais, físicas, psicológicas e emocionais. Os indivíduos que praticam essas atitudes utilizam a intimidação, a exposição e a ridicularização como ferramentas para coagir os demais.

O ambiente mais propício para esse tipo de ocorrência é a escola, pois os jovens ainda estão formando suas personalidades, são inseguros e precisam da aprovação dos outros para criar um senso de pertencimento. O ambiente estudantil também é o primeiro em que nos identificamos enquanto sociedade.

Relacionados:  Como a família pode ajudar na prevenção do uso de drogas?

No entanto, não é só no âmbito escolar que a coação e a agressão têm um terreno fértil para se instalar. Pode acontecer no prédio, na rua, na família e, inclusive, no trabalho, onde caracteriza o chamado assédio moral. Geralmente, quem agride sofre ou já passou por alguma situação de abuso ou intimidação e está apenas replicando o comportamento do qual foi vítima.

Você está procurando uma boa clinica? Clique aqui. Se deseja conversar diretamente com um terapeuta sobre clinicas Clique aqui.

Portanto, é preciso conscientizar a sociedade de uma forma ampla e enfática de que essa conduta destrutiva traz prejuízos para as vítimas e também para os agressores. Todos têm a perder quando uma atmosfera de hostilidade e violência instala-se.

     

Como as pessoas reagem ao sofrerem bullying?

Imagine a seguinte situação: você é adolescente, está inseguro quanto a questões importantes nessa fase, como: autoestima, sexualidade, forma física e todo esse contexto de descobertas e amadurecimento.

Um grupo na sua escola começa a implicar com seu cabelo, por exemplo. Passam a colocar apelidos, espalham desenhos pelo colégio e, em pouco tempo, já constrangem você com nomes que não gosta.

Esse cenário se torna rotina e afeta seu desenvolvimento escolar e suas relações. Você se torna uma pessoa arredia e fica sempre na defensiva. Essa, ainda, é a realidade de muitos jovens no mundo. As escolas já estão participando de forma mais efetiva no combate ao bullying, mas isso requer uma mudança cultural que leva tempo.

Essa reação das instituições, sociedade e familiares é uma resposta ao aumento no número dos casos de atentados violentos no ambiente escolar e de suicídio entre jovens e adolescentes.

Quando não tratadas, as vítimas desenvolvem crises de autoestima e identidade, transtornos de ansiedade, síndrome do pânico, distúrbios psíquicos e compulsões. É aqui que entra a dependência de álcool ou drogas, que começa na juventude e se prolonga pela idade adulta.

Relacionados:  PPR: Como são os Planos de Prevenção à Recaída das clínicas de reabilitação e como eles funcionam

Qual é a relação entre bullying e drogas?

As compulsões, em muitos casos, têm causas ligadas a traumas, que são absorvidos pelo subconsciente e acabam impulsionando comportamentos prejudiciais à saúde física e mental.

Um exemplo claro são as meninas que, na adolescência, foram chamadas de gordas ou outros apelidos parecidos e, ao longo da vida adulta, têm depressão e sofrem com transtornos alimentares.

No caso das drogas, os adolescentes se sentem inclinados a experimentar e a normatizar o uso por dois motivos. O primeiro é para se sentirem incluídos no grupo e participantes ativos do status quo ou para fugirem e anestesiarem, mesmo que temporariamente, o incômodo das perseguições e agressões. É sempre bom lembrar-se de que uma razão não exclui a outra, muitas vezes, elas se completam.

Ao se tornarem adultos, esses comportamentos marcados por excessos vão se intensificando e transformam-se em vícios e dependências. Não significa que apenas esses fatores serão capazes de tornar uma pessoa dependente química, mas eles têm uma grande participação.

Como a Viver sem Drogas vai ajudar?

A partir do momento que as compulsões prejudicam a vivência e a existência de um ser humano, é preciso buscar ajuda. No entanto, não pode ser qualquer assistência. Até porque existem pessoas que vendem soluções milagrosas e se aproveitam do desespero do dependente e de seus familiares.

A Viver sem Drogas contribui para que as pessoas encontrem clínicas e profissionais sérios e capacitados para ampará-las e assisti-las nesse duro e longo caminho que é conseguir controlar e entender a dependência. É possível identificar as origens dos traumas passados e encará-los de uma forma que não causem mais tanto mal.

O bullying e o abuso moral estão sendo combatidos em muitas instituições. Porém, ainda há muito a ser feito e é preciso mudar toda a cultura. Estamos começando a entender que piadas podem não soar como brincadeiras inofensivas, elas ofendem e traumatizam.

Relacionados:  Como ajudar um dependente químico na família?

O debate sobre o tema é muito importante para encontrar saídas e soluções que possam contribuir para a inserção e o acolhimento de crianças e adolescentes em um ambiente mais amigável e confortável de convivência.

As consequências de fechar os olhos para esse tipo de agressão já foram sentidas, e é preciso trabalhar para que não se repitam. Não são raros os casos de pessoas famosas ou que não relatam que sofreram algum tipo de bullying na juventude e, posteriormente, tiveram problemas com álcool, drogas ou outras compulsões comportamentais.

Quer saber mais sobre clínicas de tratamento para viciados? Leia este post que preparamos para você!

Somos especializados no encaminhamento e tratamento de usuários de drogas. Entre em contato com a Instituição Viver sem Drogas para conversarmos mais! Contatos:

(11) 2088-1909

(11) 97522-6386 VIVO WHATSAPP

(11) 95997-7546 TIM

(11) 99199-2029 CLARO

(11) 94262-3311 NEXTEL

Site Oficial: www.viversemdroga.com.br

     

CLIQUE NA FOTO E RECEBA SEU E-BOOK GRATUITO!


Compartilhe este conteúdo
Somos especializados no encaminhamento e tratamento de usuários de álcool e drogas.

Duvidas:

(11) 2088-1909

(11) 97522-6386 VIVO WHATSAPP Clique aqui.

(11) 95997-7546 TIM

(11) 99199-2029 CLARO

(11) 94262-3311 NEXTEL

Site Oficial: https://www.viversemdroga.com.br/

Você também pode gostar
Conversar com especialista