É comum ocorrer algumas alterações de humor durante o dia. Algo que não sai conforme o planejado, ônibus cheio, trânsito… Algumas instabilidades apresentadas pelo corpo humano, em sua maioria, podem ser indícios de doenças mais graves.

A mudança repentina de comportamento, quando ocorrida de forma brusca várias vezes ao dia, além de ser prejudicial para as relações interpessoais, também pode indicar transtornos mentais.

Neste artigo, vamos citar as possíveis causas da mudança de comportamento repentina e como lidar da melhor forma com alguém que sofre de transtorno mental.

Transtorno Bipolar

O transtorno bipolar é a oscilação entre o bom humor e a depressão. As doenças da mente representam alterações para mais ou para menos em relação aos aspectos emocionais comuns. A relação doentia de tais aspectos emocionais constituem polos. Como são dois, compreende-se então o termo bipolar. O estado é chamado transtorno afetivo bipolar.

A principal característica desse transtorno é a alternância de fases de tristeza e alegrias de forma doentia. Podem ocorrer no mesmo dia ou na mesmo hora.

Os sintomas são variados, como a irritabilidade exacerbada, energia excessiva, reação excessiva a estímulos, grandiosidade e aumento do amor próprio, diminuição na vontade de dormir, perda de noção de realidade, alterações emocionais súbitas e imprevisíveis etc.

Dependência Química

A dependência química é considerada como uma doença de transtorno mental. O portador desse distúrbio não tem o controle do uso da substância, e com isso, a vida emocional, espiritual e psíquica se deterioram gravemente. Por ser uma dependência provocada por uma reação química no metabolismo do corpo, drogas como o álcool e o tabaco causam dependência em pessoas predispostas. Os principais sintomas são: compulsão ou perda de controle, síndrome de abstinência, saliência do consumo etc.

Existem​ ​alguns​ ​comportamentos​ ​que​ ​costumam​ ​ser​ ​extremamente​ ​alterados​ ​pela
dependência​ ​química.​ ​​ ​Dentre​ ​eles,​ ​podemos​ ​citar:
O​ ​modo​ ​como​ ​a​ ​pessoa​ ​lida​ ​com​ ​suas​ ​atividades​ ​e​ ​compromissos:​ ​quem​ ​é​ ​afetado​ ​por​ ​esse problema,​ ​muitas​ ​vezes​ ​se​ ​torna​ ​bastante​ ​desleixado​ ​quanto​ ​às​ ​suas​ ​obrigações;​ ​passa​ ​a faltar​ ​em​ ​compromissos,​ ​inventar​ ​desculpas​ ​e​ ​mentir.
Também​ ​é​ ​frequente​ ​que​ ​a​ ​vida​ ​social​ ​da​ ​pessoa​ ​sofra​ ​mudanças​ ​drásticas. Ela​ ​tende​ ​a​ ​se​ ​afastar​ ​de​ ​seus​ ​amigos,​ ​chegando​ ​a​ ​se​ ​isolar​ ​até​ ​mesmo​ ​daqueles​ ​com quem​ ​tinha​ ​mais​ ​proximidade​ ​e​ ​da​ ​família.
É​ ​essencial​ ​lembrar​ ​que​ ​a​ ​dependência​ ​química​ ​não​ ​é​ ​um​ ​problema​ ​moral,​ ​mas​ ​sim​ ​uma doença​ ​de​ ​verdade​ ​que​ ​gera​ ​sofrimento​ ​e​ ​outras​ ​consequências​ ​muito​ ​graves.​ ​É​ ​preciso respeitar​ ​e​ ​ajudar​ ​o​ ​paciente em vez ​de​ ​julgá-lo.

Depressão

A depressão é uma doença caracterizada por uma tristeza profunda e duradoura. A cada ano, uma em cada vinte pessoas apresenta como transtorno mental, a depressão.

Além da tristeza profunda, sintomas como falta de energia, apatia, desânimo, falta de vontade para realizar tarefas, sensação de vazio e falta de interesse por tarefas que antes eram apreciadas também podem ser apresentados.

O​ ​uso​ ​de​ ​drogas​ ​pode​ ​levar​ ​alguém​ ​à​ ​depressão​ ​se​ ​essa​ ​pessoa​ ​já​ ​tiver​ ​uma​ ​tendência​ ​ou uma​ ​predisposição​ ​(biológica,​ ​genética​ ​ou​ ​emocional)​ ​para​ ​o​ ​problema.​ ​Certas​ ​substâncias, como​ ​LCD,​ ​maconha​ ​ou​ ​até​ ​medicamentos​ ​calmantes​ ​tendem​ ​a​ ​“deprimir”​ ​o​ ​sistema nervoso​ ​central,​ ​levando​ ​o​ ​usuário​ ​a​ ​um​ ​estado​ ​depressivo.
Por​ ​outro​ ​lado,​ ​pessoas​ ​que​ ​já​ ​sofrem​ ​de​ ​depressão​ ​podem​ ​ser​ ​mais​ ​propensas​ ​ao​ ​uso​ ​de drogas,​ ​buscando​ ​nelas​ ​um​ ​“alívio”​ ​de​ ​sua​ ​tristeza,​ ​uma​ ​fuga​ ​da​ ​realidade​ ​ou​ ​um​ ​meio​ ​de se​ ​sentir​ ​poderoso.
Assim,​ ​é​ ​importante​ ​lembrar​ ​que​ ​nesses​ ​casos,​ ​os​ ​tratamentos​ ​dé​ ​uso​ ​de​ ​drogas​ ​e​ ​de
depressão​ ​devem​ ​ser​ ​conciliados:​ ​eles​ ​precisam​ ​ser​ ​realizados​ ​em​ ​conjunto,​ ​com​ ​um
trabalho​ ​multiprofissional​ ​(englobando,​ ​por​ ​exemplo,​ ​médicos,​ ​psiquiatras​ ​e​ ​psicólogos​ ​que dialoguem​ ​entre​ ​si​ ​e​ ​dividam​ ​seus​ ​conhecimentos).

Síndrome do Pânico

A síndrome do pânico é considerado como um transtorno de ansiedade que gera crises inesperadas de desespero e medo de que algo muito ruim aconteça, mesmo quando não existem sinais para isso.

As crises de pânico duram geralmente cerca de 10 a 20 minutos, mas varia de paciente para paciente e da intensidade do ataque. É importante prestar atenção, pois muitas vezes, a crise de pânico é confundida com o ataque cardíaco.

Essas crises manifestam os seguintes sintomas: tremores, sentimentos de indiferença, dormência e formigamento nas mãos, pés ou rosto, medo de perder o controle, sensação de perigo iminente, tontura, desmaio, dor de cabeça etc.

Apesar​ ​de​ ​não​ ​ter​ ​uma​ ​causa​ ​(ou​ ​causas)​ ​definida​ ​encontrada,​ ​os​ ​especialistas​ ​afirmam
que​ ​a​ ​síndrome​ ​do​ ​pânico​ ​pode​ ​aparecer​ ​como​ ​consequência​ ​de​ ​​ ​fatores​ ​genéticos​ ​ou ambientais,​ ​como​ ​ansiedade​ ​e​ ​estresse​ ​assentuados​ ​ou​ ​o​ ​uso​ ​abusivo​ ​de​ ​álcool,​ ​drogas​ ​e certos​ ​medicamentos​ ​(como​ ​as​ ​anfetaminas).
Geralmente​ ​o​ ​tratamento,​ ​para​ ​ser​ ​eficaz,​ ​conta​ ​com​ ​a​ ​associação​ ​de​ ​psicoterapia​ ​e
medicamentos.

Alzheimer

Estudos​ ​recentes​ ​sobre​ ​o​ ​Alzheimer​ ​apontam​ ​que​ ​mudanças​ ​repentinas​ ​no​ ​comportamento podem​ ​ser​ ​indicadores​ ​da​ ​doença​ ​e​ ​anteceder​ ​a​ ​perda​ ​de​ ​memória​ ​em​ ​si. Entre​ ​as​ ​alterações​ ​mais​ ​comuns,​ ​estão:​ ​mudança​ ​para​ ​uma​ ​agressividade​ ​repentina,
ansiedade,​ ​depressão,​ ​desorientação,​ ​passar​ ​a​ ​tirar​ ​as​ ​roupas​ ​em​ ​público​ ​e,​ ​a​ ​mais​ ​comum, perda​ ​de​ ​memória.​ ​Além​ ​disso,​ ​o​ ​começo​ ​repentino​ ​no​ ​uso​ ​de​ ​drogas​ ​também​ ​pode​ ​ser​ ​um sinal.
É​ ​importante​ ​que​ ​a​ ​pessoa​ ​e​ ​a​ ​família​ ​relatem​ ​tudo​ ​ao​ ​médico.​ ​T

Vale destacar que, independentemente de qual seja a mudança de comportamento ou a mudança de humor repentina, se essa alteração de comportamento se manter é importante procurar um profissional. A automedicação nunca é recomendada e pode trazer vários riscos. Além disso, os tratamentos mais eficientes, em qualquer caso, são aqueles que contam com um bom trabalho multiprofissional.

A melhor forma de lidar com pessoas que apresentam transtornos mentais é saber ouvir. Muitas vezes, o paciente se isola, evitando interação social. Nesses casos, uma boa conversa (sem tom acusatório) pode ser o pontapé para que o diagnóstico seja feito por um profissional e o tratamento seja feito por um especialista.

Somos especializados no encaminhamento e tratamento de usuários de droga. Entre em contato para conversarmos mais!

Ou veja todas nossas unidades MasculinasFemininas e/ou para Adolescentes no nosso Site Oficial!

(11)2088-1909
(11)97522-6386 VIVO WHATSAPP
(11)95997-7546 TIM
(11)99199-2029 CLARO
(11)96230-9281 OI
(11)94262-3311 NEXTEL

 Site Oficial:  www.viversemdroga.com.br

Saiba mais sobre:

*Como funciona uma Clínica de Recuperação? Clicando Aqui