A cocaína se encontra entre as drogas ilícitas mais consumidas mundialmente. Isso porque essa substância possui um custo relativamente baixo e uma grande disponibilidade no mundo das drogas. Assim, o abuso dessa substância se transformou em um grande problema de saúde pública em todo o mundo.

Além disso, a dependência da cocaína traz diversos prejuízos, tanto para a saúde quanto para a vida social, econômica e legal de quem a utiliza, tais como complicações neuropsiquiátricas, cardiovasculares, perda de emprego, isolamento e prisão, devido ao porte ilegal de drogas.

Pensando nisso, preparamos um artigo com informações sobre o tratamento da dependência de cocaína para que você possa conhecer melhor esse universo. Confira!

O que é a cocaína?

A cocaína é uma substância psicotrópica que possui ação estimulante sobre o sistema nervoso central. Ao utilizar essa droga, as pessoas, inicialmente, experimentam uma profunda sensação de euforia, com aumento da autoconfiança e da potência física e intelectual. Posteriormente às manifestações eufóricas, surgem sensações de ansiedade e depressão. Além desses sintomas, também é comum a ocorrência de fortes alucinações.

Outros​ ​efeitos​ ​comuns​ ​são​ ​o​ ​aumento​ ​da​ ​pressão​ ​arterial,​ ​a​ ​elevação​ ​da​ ​frequência respiratória​ ​e​ ​cardíaca,​ ​problemas​ ​de​ ​sono​ ​e​ ​apetite,​ ​ocorrência​ ​de​ ​espasmos​ ​e​ ​aumento​ ​da temperatura​ ​corporal.

Essa droga ilícita pode ser utilizada de três formas, as quais têm influências distintas sobre os efeitos percebidos pelos usuários. Ao ser fumada ou injetada, a cocaína chega mais rapidamente ao cérebro e, como consequência, a velocidade de ocorrência dos efeitos é mais alta. Por outro lado, quando inalada, os efeitos são produzidos mais lentamente.

O que causa a dependência de cocaína?

Os motivos​ ​que​ ​levam​ ​à​ ​dependência​ ​de​ ​cocaína​ ​variam​ ​de​ ​pessoa​ ​para​ ​pessoa.​ ​Cada dependente​ ​chegou​ ​a​ ​este​ ​quadro​ ​devido​ ​a ​questões​ ​ou​ ​problemas​ ​particulares.​ ​No entanto,​ ​existem​ ​algumas​ ​razões​ ​mais​ ​recorrentes,​ ​que​ ​são​ ​comuns​ ​em ​vários​ ​casos.

A​ ​forte​ ​euforia​ ​causada​ ​por​ ​essa​ ​droga​ ​é​ ​um​ ​dos​ ​principais​ ​fatores​ ​que​ ​levam​ ​ao​ ​vício​ ​e​ ​à dependência.​ ​A​ ​cocaína​ ​ativa​ ​a​ ​área​ ​do​ ​cérebro​ ​responsável​ ​por​ ​esse​ ​sentimento,​ ​fazendo com​ ​que​ ​o​ ​usuário​ ​o​ ​sinta​ ​de​ ​forma​ ​intensa,​ ​mas​ ​breve.​ ​Assim,​ ​​​o​ ​indivíduo​ ​começa​ ​a buscar​ ​cada​ ​vez​ ​mais​ ​essa​ ​substância​ ​na​ ​tentativa​ ​de​ ​continuar​ ​obtendo​ ​tal​ ​efeito.

Algumas​ ​questões​ ​que​ ​podem​ ​levar​ ​alguém​ ​ao​ ​uso​ ​de​ ​cocaína​ ​são​ ​a​ ​depressão,​ ​a​ ​pressão de​ ​grupos​ ​sociais​ ​e​ ​a​ ​falta​ ​de​ ​motivação.​ ​Além​ ​disso,​ ​a​ ​impulsividade​ ​e​ ​o​ ​desejo​ ​por​ ​novas sensações​ ​também​ ​podem​ ​ser​ ​fortes​ ​influências​ ​para​ ​isso.

Quais são os efeitos a longo prazo da cocaína?

À medida​​ ​que​ ​a​ ​cocaína​ ​vai​ ​sendo​ ​utilizada,​ ​o​ ​corpo​ ​tende​ ​a​ ​criar​ ​resistência,​ ​o​ ​que​ ​exige uma​ ​quantidade​ ​cada​ ​vez​ ​maior​ ​de​ ​substância​ ​para​ ​produzir​ ​os​ ​seus​ ​efeitos.

Quando​ ​essa​ ​droga​ ​é​ ​usada​ ​por​ ​muito​ ​tempo​ ​na​ ​vida​ ​do​ ​indivíduo,​ ​ocorre​ ​uma​ ​degradação cada​ ​vez​ ​maior​ ​de​ ​sua​ ​saúde.​ ​Algumas​ ​consequências​ ​possíveis​ ​são​ ​a​ ​danificação​ ​de vasos​ ​sanguíneos​ ​coronários​ ​e​ ​cerebrais,​ ​problemas​ ​de​ ​fígado,​ ​rins​, ​pulmões, infertilidade,​ ​disfunções​ ​sexuais,​ ​alucinações​ ​(táteis​ ​ou​ ​auditivas)​ ​e​ ​doenças​ ​infecciosas.

Além​ ​disso,​ ​quando​ ​a​ ​cocaína​ ​é​ ​inalada,​ ​ela​ ​pode​ ​levar​ ​à​ ​destruição​ ​dos​ ​tecidos​ ​nasais​ ​e​ ​à perfuração​ ​do​ ​septo​ ​nasal.​ ​Já​​ ​se​ ela ​for​ ​injetada,​ ​pode​ ​causar​ ​infecções​ ​e​ ​abscessos. Assim,​ ​o​ ​usuário​ ​dessa​ ​substância​ ​tende​ ​a​ ​ficar​ ​cada​ ​vez​ ​mais​ ​prejudicado​ ​por​​ ela.

Como é feito o tratamento da dependência?

tratamento da dependência química de cocaína é realizado por meio de uma abordagem multiprofissional — composta por medidas farmacológicas e psicoterapêuticas —, a partir de uma parceria entre a equipe de profissionais da saúde, os familiares, os amigos e o próprio indivíduo.

O objetivo principal do tratamento é manter o dependente químico abstinente da utilização da droga, a fim de prevenir os problemas sociais e de saúde, consequentes do abuso dessa substância.

Como​ ​cada​ ​pessoa​ ​é​ ​única,​ ​o​ ​tratamento​ ​também​ ​deve​ ​ser​ ​personalizado​.​ ​Deve-se​ ​prestar​ ​atenção​ ​nas​ ​características​ ​do​ ​paciente,​ ​sua​ ​personalidade, seu tipo psicológico e sua história e relação com a droga (escutando e compreendendo, por exemplo, os motivos que levaram ao seu uso).

Desintoxicação do corpo

Nessa etapa, o dependente deve manter uma abstinência da cocaína e de outros tipos de drogas, incluindo o álcool, o tabaco e a maconha. Além de suspender o uso, o indivíduo deve manter-se afastado de outros usuários e, ainda, de objetos que possam remeter à utilização da substância.

É essencial​ ​destacar​ ​que​ ​os​ ​profissionais​ ​e​ ​a​ ​família​ ​devem​ ​prestar​ ​muita​ ​atenção​ ​durante​ ​a fase​ ​de​ ​abstinência,​ ​pois​ ​o​ ​paciente​ ​tende​ ​a​ ​sentir​ ​uma​ ​falta​ ​extrema​ ​da​ ​substância​ ​e​ ​pode ficar​ ​depressivo​ ​ou​ ​até​ ​suicida.​

​Por​ ​isto,​ ​é​ ​fundamental​ ​um​ ​acompanhamento​ ​atento,​ ​junto​ ​a cuidados​ ​físicos,​ ​psicológicos​ ​e​ ​emocionais,​ ​que​ ​ajudem​ ​a​ ​pessoa​ ​a​ ​lidar​ ​com​ ​essas dificuldades. Além​ ​disso,​ ​o​ ​médico​ ​deve​ ​transcrever​ ​apenas​ ​medicamentos​ ​que​ ​não​ ​ofereçam​ ​riscos​ ​de causarem​ ​vício.

Manejo das complicações

O tratamento das complicações decorrentes do abuso da cocaína é realizado em conjunto com a fase anterior. As medidas adotadas nessa etapa vão depender do tipo de complicação desenvolvida por cada dependente e, por isso, varia de uma pessoa para a outra.

Reabilitação

Na fase de reabilitação, o indivíduo deve retomar as atividades do seu dia-a-dia ou esquematizar uma nova rotina de afazeres, de forma a não pensar na utilização da cocaína. Além disso, é importante que ele passe a frequentar um grupo de autoajuda e, também, comece um diário com suas sensações em relação à droga.

Para a reabilitação do dependente químico, são utilizadas diversas modalidades terapêuticas, tais como a psicoterapia e o treinamento social e vocacional, as quais podem ser direcionadas tanto ao indivíduo quanto à sua família.

Tanto​ ​na​ ​reabilitação​ ​quanto​ ​no​ ​tratamento​ ​como​ ​um​ ​todo,​ ​os​ ​principais​ ​objetivos,​ ​além​ ​de controlar​ ​a​ ​dependência​ ​e​ ​tratar​ ​os​ ​efeitos​ ​da​ ​droga,​ ​são​ a​ ​restauração​ ​e​ ​a​ ​promoção​ ​da saúde,​ ​do​ ​bem​-estar​ ​e​ ​do​ ​amor​ ​pela​ ​vida.

Também vale lembrar que as fases do tratamento podem ser realizadas, em certa medida, ao mesmo tempo. Por exemplo: a psicoterapia e a participação em grupos podem ser muito benéficos desde o começo.

Prevenção de recaídas

Qualquer pessoa em tratamento da dependência química está sujeita às recaídas. Por isso, para prevenir que elas aconteçam, são identificadas e evitadas situações que possam levar à utilização da droga, juntamente com a adoção de uma mudança no estilo de vida do dependente.

Internação

Em alguns casos, é necessário que o dependente seja internado para realizar o seu tratamento. Geralmente, a internação é feita quando a pessoa oferece perigo para si próprio ou para quem convive a sua volta, quando ela apresenta problemas clínicos ou transtornos psiquiátricos muito graves, ou quando não consegue iniciar e manter a abstinência da cocaína.

Não sofra sozinho! Procure auxilio de pessoas qualificadas e ajude quem você ama a ter saúde novamente. Para ter mais informações sobre o assunto, assine a nossa newsletter e saiba tudo sobre a dependência química de cocaína!

Duvidas:
(11)2088-1909
(11)97522-6386 VIVO WHATSAPP
(11)95997-7546 TIM
(11)99199-2029 CLARO
(11)96230-9281 OI
(11)94262-3311 NEXTEL

Site Oficial: www.viversemdroga.com.br