Ver uma pessoa querida perder a saúde, o convívio social e as rédeas da própria vida para as drogas é uma grande dor para parentes e amigos. A situação torna-se ainda mais difícil quando a pessoa não reconhece que precisa de ajuda e nega-se a fazer o tratamento. Neste post vamos falar sobre algumas formas para abordar e convencer um dependente químico a buscar tratamento.

Faça a abordagem do dependente químico com carinho e paciência

Um dos primeiros conselhos de psicólogos e profissionais de saúde mental é abordar o dependente químico com carinho e paciência. O melhor momento para se falar com uma pessoa que está abusando do uso de drogas ou de álcool é quando ela não está sob o efeito dessas substâncias.

Perceba o momento em que ela está mais tranquila e receptiva a uma conversa. Fale de sua preocupação com os rumos que a vida dela vem tomando, mostrando as perdas que ela coleciona desde que iniciou o vício. Tenha o cuidado de demonstrar os efeitos nocivos, sem acusações ou julgamentos que possam ativar sua irritação e deixá-la mais resistente a ouvir.

Na hora da intervenção, escolha uma pessoa em quem o dependente químico confia e respeita

Os dependentes químicos têm um grande poder de persuasão e são manipuladores, quando se trata de distorcer a própria situação. Podem ficar agressivos e violentos quando são confrontados e quando se sentem ameaçados. Por isso, é importante que a pessoa escolhida para fazer a intervenção seja alguém a quem o depende respeite e confia. Isso aumenta as chances de ele ouvir e pensar sobre a própria condição.

Procure a ajuda de profissionais

É muito comum que os familiares só admitam que um parente precise de ajuda quando o abuso das drogas já trouxe tragédias pessoais e familiares, como uma rotina de brigas, perda de emprego, divórcio ou mesmo violência física contra as pessoas que moram com o dependente.

Por isso, é muito importante contar com a ajuda de profissionais especializados no tratamento de saúde mental para ajudá-los nessa abordagem. Quem cuida também precisa de cuidados.

Ter um dependente químico em casa significa um desgaste físico e emocional para toda a família e é preciso contar com uma rede de apoio (inclusive religiosa, se a família professa alguma fé), para encontrarem juntos o caminho para a reabilitação.

Não ceda ao sentimento de culpa

Se a situação já está muito delicada e há a indicação de uma internação compulsória ou involuntária, não se sinta culpado. Muitos dependentes químicos chegam a um nível de dependência tão alto que perdem a capacidade de julgamento quanto à própria segurança e a dos outros.

Por isso, torna-se necessário planejar, junto à equipe especializada da clínica de recuperação, a melhor forma de fazer a abordagem. Tenha sempre em mente que a decisão pela internação é uma ação de amor e de cuidado com seu familiar. A surpresa, nesses casos, é essencial para que a pessoa não tenha tempo de pensar em uma defesa para conseguir evitar a internação.

Conte com uma equipe multidisciplinar nos primeiros dias de tratamento

Os primeiros dias de tratamento são sempre muito difíceis, tanto para o dependente químico quanto para seus familiares. Assim, é essencial contar com uma equipe multidisciplinar que possa ajudá-los a fazer essa transição. Ainda que leve um tempo para o dependente aceitar o tratamento, a internação será importante para a reabilitação.

Neste processo, não só a participação de uma equipe médica é importante, mas também a de profissionais de áreas como a psicologia, a psiquiatria, a nutrição e a terapia ocupacional. Este envolvimento diversificado deixará o tratamento mais completo e eficiente. É essencial levar isso em conta na hora de escolher uma clínica de reabilitação.

Demonstre seu apoio

É importante que a pessoa saiba que não está sozinha para lidar e enfrentar sua dependência. A coragem para procurar ajuda e passar por um tratamento costuma aumentar quando se tem o incentivo e o apoio de alguém.

Assim, você estará ajudando muito ao mostrar que está ao lado dela para ajudá-la no que for preciso, tanto antes quanto durante o processo de se tratar.

Escute a pessoa e seja confiável

Lembre-se de que você está lidando com outro ser humano e, portanto, com emoções e sentimentos únicos e bem profundos. Essa pessoa tem seus motivos para ter se tornado dependente e, para ajudá-la, é preciso conhecer seu ponto de vista.

Não adianta tentar somente impor a ideia de que as drogas estão lhe fazendo mal. Deve-se escutá-la e procurar entender como ela se sente. Mostre que ela pode confiar em você e que você está interessado em ouvi-la.

Tenha empatia

Mesmo que seja difícil entender a pessoa, os seus motivos e seus sentimentos é muito importante que você tente fazer isso. Experimente se colocar no lugar dela e compreender seus problemas e dificuldades.

Demonstrar esta compreensão faz toda a diferença, pois o dependente se sente acolhido, em vez de julgado. Você pode dizer, por exemplo, que o entende, que sabe o quanto a situação é difícil para ele, mas que há esperanças para tudo melhorar.

Lembre-se de tratar a pessoa como você gostaria de ser tratado. Mesmo que você não entenda ou concorde com seu modo de pensar ou agir, é essencial respeitar esses pontos.

Peça permissão para ajudar e demonstre sua preocupação

Você pode ser sincero com a pessoa e abrir-se sobre sua preocupação com ela. Desabafe sobre como você sente que a dependência está a prejudicando. No entanto, lembre-se de fazer isso da forma mais calma possível.

Quando for conversar com o dependente químico, é recomendável que se tome cuidado em alguns pontos. Vamos explicar:

É necessário que as conversas sejam em um lugar onde ela se sinta confortável e segura. Isso é importante para evitar que o ambiente atrapalhe sua comunicação ou influencie as suas reações e as do dependente.

Outra questão que pode ser importante é buscar ajuda para você mesmo. Como essa é uma situação delicada e complicada, é comum aparecerem sentimentos de insegurança (sobre como deve ser a conversa, por exemplo), culpa e preocupação. Assim, pode fazer toda a diferença buscar ajuda de profissionais para esclarecer seus medos e dúvidas e, inclusive, buscar um acompanhamento para você.

O que fazer após convencer o paciente

Depois de convencer a pessoa a procurar ajuda você ainda deve permanecer do seu lado. Ajude a encontrar a melhor forma de tratamento e a procurar uma clínica de reabilitação e demonstre apoio ao longo do processo.

É importante contribuir para a pessoa sentir-se no controle da situação, mas também é válido acompanhar tudo. Mantenha contato e visite o dependente (em caso de internação), ajude-o a perceber e valorizar até os avanços bem pequenos e mostre-se engajado no processo como um todo.

Você pode ajudar a pessoa a manter-se estável ao longo da vida e, caso ela passe por recaídas, demonstre novamente seu apoio e ajude-a a encontrar soluções.

Somos especializados no encaminhamento e tratamento de usuários de drogas. Entre em contato para conversarmos mais! Ou veja todas as nossas unidades Masculinas, Femininas e/ou para Adolescentes em nosso site oficial.

Dúvidas:
(11)2088-1909
(11)97522-6386 VIVO WHATSAPP
(11)95997-7546 TIM
(11)99199-2029 CLARO
(11)96230-9281 OI
(11)94262-3311 NEXTEL

Site oficial: www.viversemdroga.com.br